Nova marca de Minas Gerais é lançada

O Palácio da Liberdade, na região Centro-Sul, foi palco do lançamento, nessa terça-feira (1), da nova marca destino de Minas Gerais. O desenho que une o perfil das tradicionais montanhas mineiras ao traço modernista de Oscar Niemeyer, pretende ser a nova identidade do Estado em todas as comunicações do governo e, especialmente, em toda divulgação turística de Minas Gerais dentro e fora do Brasil por toda cadeia produtiva.

De acordo com o secretário de Cultura e Turismo do Estado, Marcelo Matte, a marca é um ativo que pode ser trabalhado junto com questões de economia criativa, ao lado dos setores criativos que atuam no Estado, em um processo em que turismo e cultura se retroalimentam continuamente.

“Turismo e cultura podem e devem ser a grande ferramenta de ativação da economia em Minas Gerais. Temos 62% dos ativos culturais tombados no Brasil, 47 circuitos turísticos da maior importância, produtos, bens materiais e imateriais, Minas Gerais tem história, patrimônio, a melhor gastronomia do País, enfim, tudo para ser o mais importante hub turístico-cultural do Brasil. Temos certeza de que, com planejamento, vamos atingir esse objetivo”, afirmou Matte.

A marca de destino do Estado, que estampa apenas a palavra “Minas” – “como somos carinhosamente chamados”, nas palavras do secretário – passa a integrar uma série de políticas e ações de posicionamento do Estado diante dos diversos contextos como: as ações de promoção dos atrativos e roteiros, participação em feiras e eventos e os cursos e capacitações voltados a agentes e operadores de turismo.

A marca Minas pretende resumir os maiores patrimônios do Estado, que são o próprio povo mineiro e sua hospitalidade, além do legado histórico, da segurança, das belezas naturais e da rica gastronomia. “Além de todas essas riquezas, nossos ativos como mais de 400 museus, nossos vinhos, azeites e queijos premiados, temos outros ativos como segurança, o que Minas tem de melhor é que temos bom coração. O mineiro é um povo que tem afeto, que convida a pessoa para entrar na sua cozinha e tomar um café coado na hora. Não tem isso em outro lugar. A diferença desse gesto em relação ao que existe em outros lugares, talvez seja o que temos como maior diferencial competitivo: a nossa afetividade”, destacou o titular da Secult.

No mesmo sentido o governador do Estado, Romeu Zema (Novo), destacou a importância do turismo para a recuperação da economia estadual.

“Como alguém que nasceu e viveu quase todo o tempo em uma cidade turística – Araxá (Alto Paranaíba) -, sei como o turismo pode fazer diferença. Durante períodos do ano em que a cidade fica mais movimentada, é nítido como a economia é impactada positivamente. E, em Minas, temos um patrimônio gigantesco, extremamente mal divulgado e explorado. Muito depende de investimento e na situação em que o Estado se encontra vamos ter que aguardar um pouco. Mas muito depende apenas de trabalho, de mostrarmos para o mundo aquilo que nós temos”, destacou Zema.

Para alcançar tal resultado, a secretaria tem metas ousadas até o final da atual gestão: aumentar o fluxo turístico no Estado em 40%; taxa de ocupação hoteleira em 50% – hoje a média é de apenas 49%, quando o número ideal é próximo de 70%; aumentar o número de voos em 43% e reativar os voos regionais, usando os aeroportos do interior do Estado.

“Cada real investido no turismo dá retorno de quatro reais de ativação econômica. O turismo dá retorno mais rápido e muito grande. O turismo associado à cultura será a grande ferramenta de recuperação econômica de Minas Gerais. Estamos extremamente otimistas”, completou o secretário de Estado de Cultura e Turismo.

 

Fonte: https://diariodocomercio.com.br/zema-apresenta-nova-marca-de-minas/